Nos anos 1990, a palavra em voga no mundo corporativo era globalização, que apresentava como realidade o contexto das megacorporações multinacionais e a efetiva internacionalização de produtos, serviços e até da cultura. O que não se sabia é que a tecnologia e os sistemas de pagamentos iriam avançar ao ponto de podermos realizar pagamentos cross-border automáticos com processamento no mesmo dia, por exemplo.

Estamos mais conectados? Certamente! Contudo, não estamos falando apenas em dados. Trabalhar com pagamentos da Europa, EUA e China para o Brasil, por exemplo, demanda um grande esforço operacional, conhecimento jurídico e tibutário. Se as barreiras do idioma já foram vencidas, ainda há etapas a serem superadas para a consolidação do pagamento cross-border para o Brasil.

As operações cross-border

Tratam-se, basicamente das compras e transações realizadas entre um comprador e um vendedor que estão em países diferentes. Em termos comerciais, trata-se de um grande salto para consumidores e empresas que, em muitos casos, têm acesso a produtos e serviços não disponíveis no país de origem ou que precisam internacionalizar suas operações, por exemplo. Um exemplo prático é que com a própria globalização e a popularização do acesso à internet ao redor do mundo, a contratação de mão de obra também se tornou globalizada. Isso trouxe a necessidade de empresas que contratam profissionais em outro país que não seja sua sede, realizar os pagamentos.

Pagamento cross-border para o Brasil: é necessário entender os desafios

Ao considerar fazer pagamentos cross-border para o Brasil, é importante que seja considerada a cultura e a realidade brasileira. Então, aí vão alguns desafios:

Desafio 1

O Brasil está entre os maiores países do mundo, com 8.514.876 km²  de território. Existem diferentes necessidades e hábitos para diferentes estados e cidades. Não considerar estas diferenças é um dos maiores erros, não somente em operações de pagamento. 

Solução: ao estruturar ou repensar as suas operações para o Brasil, lembre-se do que comentamos no início do texto. Nos anos 1990, o termo em voga era globalização. Mas, os tempos mudaram, e agora é necessário adaptar soluções localmente. Você pode ver um artigo sobre o pensamento “glocal” neste link. Estar conectado com provedores locais que entendam da cultura e da regulação, portanto, é crucial. Know how no Brasil é essencial para possuir uma operação sem atritos, que possibilite ganho de escala e tenha inteligência tributária.

Desafio 2

Quando pensamos que o Brasil foi colocado, em 2018, em uma lista dos 10 países com mais pessoas sem conta bancária pela Forbes ou que um em cada três brasileiros não tem uma conta no banco, pode-se enxergar uma barreira.

Solução: a tecnologia avança. Com soluções como o Cash Pick-up da WePayOut, é possível fazer pagamentos em dinheiro para saque em mais de 15 mil pontos espalhados pelo Brasil. Num futuro próximo, com o lançamento do PIX, o sistema de pagamentos instantâneos brasileiros, do qual a WePayOut fará parte, a democratização na forma de pagar beneficiários será aumentada. Haverá a possibilidade, por exemplo, de saques na rede de varejo com QR code e sem a necessidade de conta bancária ou cartão.

Desafio 3

Cada banco brasileiro possui um padrão de contas bancárias diferente. O desconhecimento sobre essas especificidades pode causar atrasos e rejeições nos pagamentos cross-border para o Brasil. Além disso, existem os danos à imagem da empresa no mercado e refação de operações cambiais

Solução: a WePayOut lançou uma ferramenta para qualificação de dados bancários que verifica e corrige os dados de forma automática antes do processamento dos pagamentos. Isso que garante maior assertividade e aumento de conversão no processamento dos pagamentos a terceiros.

Desafio 4

A conversão das moedas é geralmente um problema no processamento dos pagamentos cross-border. As empresas internacionais normalmente não têm total clareza das taxas e custos envolvidos no processo.

Solução: a WePayOut possui como um dos seus principais valores, a transparências nas suas operações. Além disso, as taxas e custos ocultos não fazem parte da cultura da empresa. A empresa estrangeira sabe quanto irá pagar e quanto o beneficiário irá receber, sempre!

Próximos passo para o pagamento cross-border

O pagamento cross-border se consolida e tem campo aberto para crescimento, com potencial de muito avanço, principalmente a partir do desenvolvimento de tecnologias que aproximem as empresas internacionais de seus beneficiários em solo brasileiro.

Facilidade e dinamismo são essenciais para facilitar o processo. Por meio de integração via API entre softwares ou com o simples upload de planilhas, como funciona no dashboard da WePayOut, é possível processar, com segurança, pagamentos para o Brasil no mesmo dia. Além disso, é possível ter acesso a carteiras em diferentes moedas.

A integração entre soluções tecnológicas, conhecimento do mercado brasileiro e o aproveitamento de novas modalidades e sistemas de pagamentos faz com que empresas conectadas com soluções internacionais passem a processar os pagamentos internacionais com a mesma facilidade de um pagamento local.

A WePayOut decidiu ser especialista no que faz: pagamentos a terceiros de forma diversificada. Estar conectado a provedores especialistas no serviço, é um fator que trata seguramente mais sucesso e todas as etapas do processo. Quer conhecer mais sobre nós? Então, cadastre-se e conheça mais sobre nós: